Skip to content

QualiNews Voltar às Noticias

FEVEREIRO 28

5 dicas imperdíveis para acertar no preço de seu ovo de Páscoa

  • 2020-02-28

Aqui vão 5 dicas valiosas para ganhar dinheiro durante a Páscoa e aproveitar ao máximo essa época de festividades, é muito importante que acerte em cheio nos preços de seus produtos.

Uma dúvida muito recorrente que passa pela mente dos consumidores é o porquê dos preços dos ovos de Páscoa serem tão mais altos do que de chocolates em barra. Essa diferença de preço pode ser explicada pelo maior custo de produção, incluindo transporte, embalagem, refrigeração, brindes, quantidade de funcionários e processo mais manual se comparado com o de barras.

Além disso, está embutido no preço dos ovos de Páscoa industrializados, um “Seguro Desperdício” que consiste em uma taxa destinada a cobrir eventuais perdas econômicas devido aos ovos não vendidos. Por essas razões, ovos de Páscoa artesanais ganharam espaço no mercado já que seus preços não são tão impactados por esses fatores. Pensando nisso, elencamos algumas dicas para atribuir preços para mercadorias de forma efetiva e justa para você que quer ou já possui uma produção artesanal nessa época do ano.

Dica 1: Feito do que?

É muito importante ter controle dos gastos e investimentos para a fabricação de seus produtos. Nesse momento é essencial ter organização com relação ao que e quanto se usa de cada ingrediente durante a sua produção, sem esquecer despesas despercebidas como luz, água e gás, que podem ser consideradas acrescentando 10% do valor total de custo. Além dos desembolsos com embalagens, enfeites e utensílios (vale lembrar que o investimento em embalagens que conservam o produto por mais tempo e chamam atenção do consumidor são de extrema importância para garantir a compra do mesmo). Suponhamos, por exemplo, que para um ovo de páscoa artesanal sejam utilizados 300 g de chocolate ao leite, água e gás para derretê-lo, 50 g de castanhas e uma embalagem com laços, todos esses insumos devem constar na soma de seu custo total.

Dica 2: Como chegou até aí?

Os gastos com a compra e entrega dos produtos não podem ser esquecidos, por isso, é bom lembrar de considerar preços de gasolina, transporte público ou frete utilizados tanto para a compra dos ingredientes, quanto para entrega do produto final. Nesse caso, não há uma porcentagem pré-estabelecida, por variar muito dependendo da localização de seu negócio em relação aos estabelecimentos onde compra seus insumos e a dispersão de seus clientes.

Dica 3: Quanto vale seu trabalho?

Tempo é dinheiro, por isso, é necessário que se calcule quanto dele é preciso para produzir cada unidade. Afinal, não é porque você é dono do seu próprio negócio, que deixou de ganhar salário por horas trabalhadas. Para isso, considere o salário base de sua região para a mesma função e o número de horas trabalhadas por um funcionário comum em uma empresa. Por exemplo, imaginando que o salário médio de um confeiteiro é de R$ 2000,00 e o número de horas trabalhadas são 220, divide-se o salário pelas horas, obtendo o valor de R$ 9,09/ h. Encontrando, dessa forma, o valor de sua mão de obra. Vale lembrar que para embutir esse valor, deve-se considerar o tempo gasto por unidade.

Dica 4: Que quantia ganhar a mais?

Essa é uma dica muito pessoal, mas é válido ressaltar que estipular um preço muito alto para lucrar bem, nem sempre é saudável para seu negócio. Por isso, ter em mente o perfil de seus potenciais consumidores, é importante na hora de estipular uma margem de lucro, de forma que o preço final seja acessível a eles. Outra questão a ser levada em consideração é o valor agregado embutido na sua produção, quanto mais investir em ter um produto de qualidade e que ofereça segurança alimentar, mais poderá cobrar por ele, é nesse momento que ter um produto com tabela nutricional ou ter certificações pode fazer toda a diferença para clientes indecisos.

Dica 5: Tenho um produto competitivo?

Com todos os custos calculados, é hora de entender seu espaço no mercado. Para isso, você pode fazer uma pesquisa dos valores dos ovos industrializados e caseiros, tirando uma base de referência. O preço de venda adequado deve cobrir todos os seus custos e gerar lucro, mas ainda sim ser competitivo em relação à concorrência. Mas não é somente o preço que deve ser levado em conta, para verificar a aceitação de seu produto no mercado, você pode realizar análises sensoriais, por exemplo, entendendo pontos fortes e, melhorando os fracos, de sua mercadoria antes de lançá-la.

Após todas essas análises, se você já tem uma produção ou sonha em começar uma, pode contar com o apoio da Qualimentos jr. para potencializá-los. Contamos com diversas soluções como análises sensoriais, pesquisa de embalagens, conservação de alimentos, elaboração de manual de Boas Prática de Fabricação (BPF), exigido pela ANVISA, e desenvolvimento de novos produtos que podem auxiliar no deslanche do seu negócio nessa Páscoa e no resto do ano.

Entre em contato e decole seu negócio!